Os Cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador. Ao utilizar os nossos serviços, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.

Início | Categorias | Guardadas

Comentários

Próxima Notícia Notícia Anterior

Pedro Soares defende transição energética para salvar o clima


O deputado bloquista entende que “há falta de compromisso dos estados” com o Acordo de Paris

O deputado do Bloco de Esquerda eleito pelo circulo eleitoral de Braga, Pedro Soares, participou, na manhã desta segunda-feira, numa sessão do Parlamento Jovem, no Agrupamento de Escolas Padre Benjamim Salgado, em Joane, Vila Nova de Famalicão. Os temas em debate foram as alterações climáticas, aquecimento atmosférico e poluição dos oceanos.Pedro Soares referiu que “a mudança drástica no clima deve-se a ações antrópicas, isto é, os comportamentos das pessoas provocam alterações nos equilíbrios dos ecossistemas”. Classificando como “muito grave” o estado atual do clima, Pedro Soares afirma que “é necessário a diminuição acentuada das emissões de gases com efeitos de estufa”, pelo que defende que sejam promovidas “ações urgentes que permitam a transição energética, como a substituição dos veículos a combustão por veículos elétricos”.O deputado bloquista entende que “há falta de compromisso dos estados” com o Acordo de Paris, que previa o aumento máximo da temperatura média da Terra em 2ºC. Segundo Pedro Soares, “Portugal deveria beneficiar dos excelentes recursos naturais que dispõe, como a luz solar, e apostar no investimento em produção de eletricidade através de fontes naturais”.O deputado considera ainda que a sustentabilidade ambiental deve estar no centro das preocupações, defendendo que “as políticas devem objetivar o fim carbono e, por isso, teremos de encerrar as centrais termoelétricas de Sines e Abrantes e impedir os furos de prospeção de petróleo na Costa Vicentina”.“O clima é o grande desafio deste início de século e a sua preservação deve ser a grande preocupação da sociedade. É fundamental a mobilização da população e dos decisores políticos para a adoção de comportamentos ambientalmente equilibrados”, concluiu.  




Partilhe

Partilhe esta notícia com os seus amigos!

Comente

0
Deixa AQUI a sua opinião como outros deixaram.
O comentário foi denunciado com sucesso
denunciou este comentário anteriormente